Investigadores espanholes acham efeitos positivos de melatonina no tratamiento da esclerose múltipla.



Investigadore espanholes do departamento de Neuroinmunoendocrinología Molecular da Universidade de Sevilla esta levando a cabo um estudo com o objetivo de analizar os efeitos positivos de melatonina no tratamento da esclerose múltipla.

O Qué é melatonina?

É um hormônio que existe de forma natural no corpo, mas a melatonina que se usa como medicamento generalmente é sintetizada no laboratorio. Se usa para ajustar o relógio interno do corpo, os ciclos de sonho/ vigília em pessoas cujo horário diário de trabalho tem mudanças (transtorno de mudanças de horario laboral), para ajudar ás pessoas cegas a estabelecer um
ciclo de día e noite, para tratar a depressão, as enxaquecas, a epilepsia, entre outro muitos usos.

De acordo com o investigador principal, Antônio Carrillo Vico, "A melatonina é un inmunomodulador que, em condiciones de inmunodepresão o inmunodeficiência, pudesse ativar o sistema inmune, e quando isto for muito ativo como na inflamação afiada, nós pensamos que pudesse disminuir a inflamação"

No momento eles recrutaram 58 pacientes que têm ativo a doença e que eles ainda não são prescritos, com os controles respectivos deles, esperam ver o que acontece na inflamação afiada ou na fase ativa da esclerose múltipla.

De acordo com os resultados preliminares do estudo o tratamento: Com melatonina em vivo diminui os sinais da doença no padrão animal de esclerose múltipla (encefalomielitis denominado autoinmune experimental).

Com melatonina em vitro tem celas de paciente mais que suficiente com esclerose múltipla reduz a produção de marcadores característicos inflamatórios da doença.

Para poder encarar este projeto primeiro os investigadores, desenvolveram a doença em ratos e de um modo combinado com melatonina. Como explica Carrillo: "Nós avaliamos os sinais clínicos da doença e vimos que a melatonina diminui a intensidade da patologia significativamente".

Logo eles estudaram o efeito do melatonina nas células e as características de alguns e de outros, tentando adquirir alguma pista de por qué alguns desenvolvem a doença de mais intenso modo que outros. "Os resultados nos animais revelam que o melatonina protege da doença. Agora nós tentamos saber cómo."

Por outro lado, eles administraram melatonina in vitro e analisaram os citocinas (celulas TH1, TH2, TH17 e T reguladoras em sangue). "Nós vemos que o melatonina diverge a resposta para um fenotipo mis TH2 ou regulador de T, para o que poderia pensar em um benefício hipotético, mas ainda não terminamos."

A investigação continúa e os futuros pasos a levar a cabo por parte deste time científico consiste em realizar este ensaio em pacientes, onde selecionarão as pessoas com a doença ativa, recentemente diagnosticada ou que tiveram algum broto de repetição, administrar melatonina, e fazer uma perseguição dos sinais clínicos, etc.





www.keymelatonin.com
web stats